Home / Especiais / Clássicos / TOP 10: Melhores Cenas de Sexo do Cinema

TOP 10: Melhores Cenas de Sexo do Cinema

Hoje é dia do Orgasmo! E para comemorar esse importantíssimo dia, o Concine preparou essa seleção para você, divirta-se..

Há muito tempo atrás, o cinema mal tinha sido inventado quando alguém teve a ideia de apontar a câmera para casais em atos de carinho explícito. Um dos primeiros registros foi o curta americano The Kiss, uma produção de 1896 em que dois pombinhos espocam um beijo de 15 segundos. Na época foi um escândalo, e o filme ganhou o primeiro certificado de censura do cinema!
Com a liberalização dos costumes, o desafio foi encontrar maneiras criativas de representar o sexo nas telas. Com tanta gente bonita em cena, não faltaram opções calientes para o Ranking Estranho deste mês: uma rapidinha em cima da pia, uma transa apimentada com laticínios, um affair entre duas gatinhas… Uma lista com as melhores cenas de sexo das últimas quatro décadas, quando o cinema abusou do direito de ser sensual.

10. Essa mocréia é de morte

ATRAÇÃO FATAL (1987), com Glenn Close e Michael Douglas
Quando o filme estreou, tudo mundo se perguntava por que o advogado boa-pinta interpretado por Michael Douglas escolheria uma baranga como Glenn Close para furunfar — ainda mais tendo uma esposa bem mais ajeitada… O fato é que, na seqüência que ganhou o décimo lugar, a loira descabelada descola uma tórrida transa em cima da pia da cozinha, com direito a prorrogação no elevador. Depois, a doidona justifica o título do filme, perseguindo insanamente o cara.

atracao-fatal

9. Gatinha manhosa

A MARCA DA PANTERA (1982), com Natassja Kinski e John Heard
A exuberante alemã Nastassja Kinski encarna uma criatura exótica neste horror erótico. Na pele de um curador de zoológico, John Heard fica fascinado por aquela garota que se eriçava ao passar pela jaula das panteras… Quando John arrasta a gata para a cama, ela pede para ser amarrada e o rapaz topa, sem imaginar que o fetiche daria um novo sentido ao termo “sexo animal”. Na hora do bem-bom, Nastassja literalmente vira uma fera, saindo do ninho de amor para saciar sua sede de sangue.

b5L9Ywd

8. O manjado banco de trás

SEM SAÍDA (1987), com Sean Young e Kevin Costner
Kevin Costner vive um oficial da Marinha que conhece a sedutora Sean Young, no papel de mulher do secretário de Defesa dos Estados Unidos. A morenaça não perde tempo quando vai passear de limusine com o galã. Rodando pelos pontos turísticos de Washington, ela provoca: “Mostre-me os monumentos”. E ele mostra: o casal manda brasa ali mesmo, no banco traseiro da limusine, enquanto o chofer continua dirigindo pelas ruas da capital americana.

lp-vinil-no-way-out-sem-saida-1987-kevin-costner_MLB-O-88445053_3779

7. Se esse carro falasse

BONITINHA MAS ORDINÁRIA (1981), com Lucélia Santos e cinco atores
O representante brasileiro do ranking é uma adaptação da peça de Nelson Rodrigues. No filme, Lucélia Santos é uma ninfeta de 17 anos abusada por cinco bandidos no capô de um carro! Para apimentar a maluquice, a garota libera as fantasias sexuais berrando “Cadelão, cadelão!” enquanto rola a transa.

bonitinha-mas-ordinc3a1ria-1

6. Transa x-tudo

9 e 1/2 SEMANAS DE AMOR (1986), com Kim Basinger e Mickey Rourke
Taí uma história melada: Kim e Mickey se conhecem na rua e dão início a uma agarração sem fim. Para seduzir a loira, Mickey aposta no jazz clássico de Billie Holiday, mas Kim só se libera mesmo ao som do rock caidaço de Bryan Ferry e Joe Cocker. O momento mais sensual é quando ele coloca uma venda nos olhos da parceira, esfrega gelo em seu mamilo e prepara uma verdadeira salada de frutas em seu corpo provando uvas, morangos e outros vegetais mais inofensivos. Tem quem ache isso erótico…

9-12-semanas-de-amor-lp-trilha-sonora-do-filme-1986_MLB-O-55761401_5981

5. Rock das aranhas

CIDADE DOS SONHOS (2001), com Naomi Watts e Laura Harring
Às vezes, samos obrigadas a adimitir: homem só atrapalha. Pelo menos é o que dá para concluir em Cidade dos Sonhos, quando a loiraça Naomi Watts convida a morenissíma Laura Harring para dividir a cama com ela. Apesar das pertes íntimas borradas digitalmente na versão em vídeo – uma exigência do diretor -, a cena esbanja sensualidade na hora em que as beldades começas a trocar beijos molhados.

1295642929_mulholland-drive-1

4. Um tapinha não dói

ATA-ME! (1990), com Victoria Abril e Antonio Banderas
Encarnando um psicopata saído do manicômio, o bonitão Antonio Banderas vai atrás de uma atriz pornô, vivida por Victoria Abril, para confessa-lher seu amor. Como a musa nem dá bola, ele resolve amarrá-la na cama. Quando a bandido chega em casa todo machucado, depois de uma surra, aí, sim, Victoria se deixa seduzir. Ah, a mente feminina…

atame2gr

3. Fogo e paixão

CORPOS ARDENTES (1981), com Kathleen Turner e William Hurt
Uma melodia preguiçosa no saxofone embala um dos mais tórridos romances proibidos da história do cinema. Estreando na telona, os astros William Hurt e Kathleen Turner encarnam, respectivamente, um advogado pé-de-chinelo e uma ricaça sexualmente insatisfeita. O clima sufocante da Flórida é apenas um elemento a mais para manter ardentes os corpos dos protagonistas nesse suspense noir. Na cena mais explosiva, o advogado arromba a porta de vidro da casa da amante, que espera por ele ansiosa, quase sem fôlego de tanta excitação. O fogo do affair rendeu aos novatos uma merecida medalha de bronze na nossa lista.

FOT_FT2_40791

2. Picadinho amoroso

INSTINTO SELVAGEM, (1992), com Sharon Stone e Michael Douglas
Aos 34 anos e esbanjando agressividade sexual, Sharon Stone ajudou a mudar o comportamento das mulheres nos anos 90. Seu cruza-descruza de pernas pirou os investigadores que a interrogavam e gerou a maior polêmica (afinal, mostrou ou não mostrou?). A cena que arrebatou o vice-campeonato é uma transa de Sharon com Douglas, em que a loiraça leva um picador de gelo para a hora do sexo… Quaisquer que fossem as intenções da moça, ela acabou não usando o acessório!

1184681045

1. Manteiga multiuso

ÚLTIMO TANGO EM PARIS (1972), com Maria Schneider e Marlon Brando
Antes do Último Tango, manteiga só servia para passar no pão. Escandaloso, polêmico e profundo, o filme ousou retratar o sexo nas telas como nunca se havia imaginado. Um homem maduro e uma jovem se encontram num apartamento vazio e, sem dizerem seus nomes, transam como alucinados. A conturbada relação resulta numa seqüência histórica que introduziu — com carinho — modalidades sexuais menos cristãs no cinema comercial. A famosa “cena da manteiga”, quando Brando unta o rechonchudo bumbum de Maria, foi censurada no Brasil, tornando-se quase mítica. Com tanta fama e ousadia, nada mais justo que a seqüência faturasse o primeiro lugar da lista.

o-ultimo-tango-em-paris

CONCINE – Conectando você ao Cinema

Fonte: Revista Mundo Estranho

Sobre Vinícius Amparo

Carioca da Gema e torcedor do Fluminense, estuda jornalismo desde 2012 na FACHA, no Rio de Janeiro. É apaixonado por cinema desde que se entende por gente, pretende trabalhar com Cinema no futuro e criou o portal Concine com essa intenção, na intenção de ficar antenado a tudo e exercitar o que aprende escrevendo sobre a sétima arte, o que ama.

Responder

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Subir